Cresce o número de investimento em plataformas educacionais nas escolas

240_F_436813983_Rp3pq4sCK7TvyorF02b3BXsrrAdWdMhvCom o fechamento das escolas devido à pandemia causada pelo coronavírus, os professores precisaram se reinventar para continuar ensinando os alunos em casa. Uma das soluções mais recorridas foram as plataformas de educação digital. Por meio dessa ferramenta, escolas puderam seguir com seu plano de aula aprendendo novos métodos de ensino.

Desse modo, muitas objeções foram quebradas, já que anteriormente existia certa resistência ao uso de tecnologias digitais em sala de aula. Saiu na frente quem já tinha conhecimento sobre essas ferramentas, já que elas não são exclusivas do ensino à distância, mas exigem práticas pedagógicas adaptadas à interatividade que o digital proporciona.

No entanto, depois de mais de um ano utilizando o novo recurso, as plataformas educacionais caíram no gosto do corpo docente. Por ser um facilitador de trabalhos morosos, otimizar a gestão educacional e permitir o acompanhamento em tempo real do desenvolvimento dos alunos, quem aprendeu a lidar com a tecnologia não quer mais abrir mão.

De acordo com uma pesquisa do TIC Educação em 2020, divulgada em agosto deste ano, escolas que possuem perfil em redes sociais tiveram um salto de 28% (2019) para 66% (2020) na aquisição de plataformas educacionais. Ainda segundo a pesquisa, o uso de plataformas virtuais foi maior em escolas estaduais do que em particulares, sendo 80% contra 75%.

No documento sobre Estratégia para Transformação Digital do governo federal (pág. 45) se reafirma a importância da educação digital. O material cita que “A educação digital será cada vez mais uma etapa importante para o exercício da cidadania e uma pré-condição para uma atividade profissional bem-sucedida. Nossa capacidade de autodeterminação e julgamento crítico no mundo digital, em suas várias esferas – no trabalho, nas comunidades virtuais, como consumidores e cidadãos – dependerá de uma educação digital crítica e bem orientada”.

O que se observa é que os Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA’s) se mostraram úteis para além da pandemia. Os benefícios são óbvios para o ensino, facilitando no processo de aprendizagem que respeita o ritmo de cada aluno. Torna-se muito mais fácil para o professor acompanhar de forma visual as dificuldades dos alunos e intervir de forma assertiva no planejamento pedagógico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>